quinta-feira, junho 29, 2006



O NOSSO HOMEM SEM MEDO...

O rapaz até é um bom rapaz...esquece-se mas é das coisas! Mas pronto, como há mais quem seja assim no grupo, a gente até lhe desculpa. Até porque, quando está, é um tipo bem-disposto, respeitoso (até trata alguns por "você", apesar de ter sido já avisado 1.789.674.982 vezes para não o fazer...) e com vontade de ajudar. Tem é um conflito institucional com o seu instrumento (leia-se cavaquinho, nada de pensamentos perversos...) no qual já não toca há largos meses, após um período ecstasyaco, em que, cada vez que dava um acorde, desmanchava-se a rir. Assim uma espécie de ataques de caspa à la Marisa, tão a ver? Depois entrou num período de abstinência e foi até hoje. É um verdadeiro "Quantos são? Quantos são?", pois não admite qualquer desafio sem responder à letra, para mostrar o valor do Casal dos Chouriços - mas também, se se é um gajo e se se é dos Chouriços, tem mesmo que se mostrar a força, para fazer jus ao nome da terra, ou não é? E até se aceita o desafio de comer directamente do prato, sem talheres e com um babete à maneira (ver foto), só para não dizerem que ele não é macho o suficiente para ir na onda!

REBOBINANDO...
episódio I - Sexo, Drogas & Rock n'roll (ou não...)

29 de Dezembro de 2001. Brrrrr...Frio como o raio! Brrrrr...nervosinho pra caraças! Ainda se lembram da estreia? Havia pessoal que entrava em todas: nos sketches, nos som, nas luzes, nos grupos de dança...Mas acima de tudo, ajudavam ao nascimento da "estrela da noite": o grupo EmCantos! Quem lá estava no palco, com a bela da camisola de gola alta (turtleneck, "Pescoço de tartaruga", como dizem os ingleses) e de cachecol, talvez não pensasse que isto chegasse até aqui. Ainda me lembra de o Gonzo tocar percussões, de a Mica tocar cavaquinho, de haver o bombo (com o símbolo pintado) e o timbalão... A formação era diferente - embora o núcleo duro da fundação ainda esteja para durar. Foi um espectáculo onde começámos com o "Senhor da Pedra e Companhia", com a percussão a entrar toda em força antes de o pano abrir. E cantámos pouco tempo. Os ensaios não tinham dado para mais. E a responsabilidade era grande, pois a parte teatral tinha sido de nível e as danças dos Nice People (onde entrava malta nossa) tinha sido "Five"*, portanto não podiamos desiludir. Demos o nosso melhor (que não era grande coisa, mas enfim...) e a mais não éramos obrigados. Talvez o público não tivesse sido tão caloroso como deveria. Talvez não tivéssemos sido tão apoiados quanto merecíamos (pelo menso pelo esforço). Talvez nós não tivéssemos diso tão certinhos e afinados como poderíamos. Talvez... Mas cá estamos, a cantar desde 29 de Dezembro de 2001 (não tão velhos como o Azeite Gallo, mas já não estamos nada mal!), a tentar manter-nos fieis à lógica da fundação: música popular, sem grandes pretensões perfeccionistas, num espírito de solidariedade e convívio. E assim queremos continuar.


HEY YOU!!!

Pessoal, é só para avisar que não se esqueçam de ir visitando os blogs da malta:

emcantos.blogspot.com (o blog sobre o grupo mais bem-parecido da região Centro)

aventuradasparanoias.blogspot.com (o blog com as teorias mais paranóicas do distrito)

jukebox6estrelas.blogspot.com (o blog musical mais alternativo do concelho)

gonzomen.blogspot.com. (o blog do gajo mais pesado da freguesia)

menina-faby.blogspot.com (o blog da gaja prevenida do cavaco)

Visitem, falem, discordem, escrevam, riam-se. Mas não nos deixem a "falar" para a parede!

quarta-feira, junho 28, 2006



Este domingo à tarde, actuámos no Rovisco Pais, uma unidade de saúde perto da Tocha, com uma área envolvente tão verdejante e diversificada que mais faz lembrar um campo de férias. Infelizmente, não é esse o principal objectivo: há um centro da APPACDM, há o centro de reabilitação e ainda a ala destinada aos ex-doentes leprosos, pessoas intitucionalizadas, homens e mulheres de 60, 70 e 80 anos que nunca conheceram outra casa a não ser esta, pessoas "desligadas" do mundo e que ali passam os seus dias. Felizmente, a "senhora enfermeira" Célia (que só por acaso tem a paciência de aturar como marido o nosso sargento...) tem a dinâmica lúcida de perceber que é preciso pôr estas pessoas a fazer coisas, a contactar com universos diferentes e estimulantes, para evitar o marasmo que até há pouco tempo ali imperava, onde as refeições eram os pontos altos da vida quotidiana. Assim, montou uma sala de ocupação de tempos livres, onde alguns destes idosos desenham, recortam, pintam, bordam e fazem toda a espécie de trabalhos manuais, sentindo-se certamente mais valorizados. Além disso, a mesma "senhora enfermeira" teve o bom gosto de nos convidar a actuar para estas duas dúzias de pessoas carentes de afectos, como forma de assinalar o São João, o que fizemos com o maior gosto. Foi um sucesso!

Tivemos um bailarino privativo, que acabou uma das coreografias com uma quase-espargata (ia derrubando a menina dos ferrinhos, para já não referir a placa, que lhe ia saltando!). Tivemos Irmãs (freiras) a dançar e a cantar toda a espécie de canções (e alguma com conteúdos bem marotos...), embora com a distância dos pares que o decoro imposto pela religião lhes exige. Tivemos o nosso sargento a tirar cafés entre canções, porque algumas pessoas com um sentido de timing menos apurado insistiram em não esperar (e sim, estávamos a actuar mesmo ao lado da máquina de café...) - e o nosso Carlitos, "de mau", tirou um galão à mulher apressada... Mas foi por engano!Nesse entretanto ficámos a saber, na lógica da mesma senhora, que não convém mexer muito o café, porque assim o açúcar mexe-se mais e é pior para a saúde. Ah pois, aprendam!!!

O mais bonito foi a expressão de felicidade e de alegria (embora não muito exteriorizada) daquelas pessoas e o que nós acabamos por sentir é que vale muito mais a pena fazer actuações para este público, que agradece qualquer pequenina atenção, do que para o público "normal". Bam hajam! E parabéns à Célita pelo trabalho desenvolvido.

segunda-feira, junho 26, 2006



Senhoras e senhores, a pedido de muitas famílias (ó, ó!), aqui está ela: a selecção de todos nós!Mais encantadores que o Scolari, mais elegantes que o Cristiano Ronaldo, mais bem casados que o Figo... EmCantos! (nota: foto sujeita a alterações em breve, dado que há já negociações confirmadas com dois craques de alto gabarito)

Ó prás carinhas larocas dos meninos e meninas! Liiiiiiiindo, este mosaico. (ou então é apenas uma colecção de autocolantes à maneira...) Tanto talento, beleza e simpatia que até assusta (sendo o talento um quase-exclusivo dos "hombres" presentes, como é evidente... por forma a compensar a falta de beleza!).

Da esquerda para a direita, de cima para baixo:

- Ricardo Pereira (o gajo que melhor tira fotos com cara de peixe), aclamado guarda redes (sim, é ele que está lá no mundial!Força aí, Ricardo!) e que nas horas vagas gosta de desafiar os limites do aperto baixo-ventral e chegar a notas nunca antes alcançadas.

- Diana Caraqueijeiro (a mulher com o apelido mais complicado de toda a zona centro), conhecida defesa de marcação, famosa pelos seus ataques frontais, pegando as adversárias pelas mamas como ninguém... ó menina dos ferrinhos, menina dos ferrinhos, isto é a inveja dos gajos a falar!

- Dina Raposeiro (a "gaja" com mais speed não-dopado de Portugal), extremo esquerdo, uma jogadora muito Física, rápida e acelerada, cujo "apelido quase marca de espumante" é certamente o culpado pela sua inegualável energia.

- Carlos Eulálio (o sargentão deste "time"), o médio criativo (tão criativo que que já tem duas filhas!) homem que "cozinha" as jogadas com mais cheiro a golo.

- Nélia Margarida Oliveira (a jogadora mais táctica do conjunto), a ponta de lança "sombra" que passa pelos adversários sem que eles sequer a sintam...

- Gonçalo Matias (o Petit cá do sítio, especialista em rebentar com o que lhe aparecer pela frente...), o man do temível caparro e que raramente está atento às indicações técnicas, mas que tem uma grande capacidade de improviso, o que o safa de muitas situações perigosas.

- Nélia Isabel Oliveira (o protótipo da jogadora disciplinada), que, jogando lado a lado com o Gonçalo, compensa em cumprimento (do que é treinado) aquilo que o colega tem em comprimento.

- Fabiana Matias (a garina prevenida, sempre com mais que um equipamento ao pé, para o que der e vier), aquela que ajuda a compassar as jogadas, de forma concentrada, recorrendo à experiência obtida no seu domínio do Golf.

- Micaela Ângelo (a verdadeira starlet!), que "conduz" o jogo baixo, pautando o ritmo das prestações da equipa e ultrapassando os adversários em piques temíveis, abrindo verdadeiras "autoestradas" nas defesas oponentes.

- Jorge Ventura (o gajo que se acha capitão desta "turma"), uma espécie de maestro, que se cansa a dar orientações acerca da forma de actuar dos jogadores, tendo mais tácticas do que tempo para as aplicar no treino.

- Adriana Loureiro (a jogadora mais internacional do conjunto, estando finalmente de regresso da sua temporada em Madrid, após demoradas conversações com esta sua equipa de sempre), jogadora de retranca, de jogadas pensadas mas com garra, no seu estilo elegantemente brigão.

- Jorge Heleno (o rapaz com mais multas por faltas aos treinos...e aos jogos), jogador que compensa de alguma forma a sua irregularidade com uma forma bem-disposta de estar, ajudando os colegas em todas as tarefas.

- Tânia Fernandes (a verdadeira avançada...tão avançada tão avançada que chegou ao Alentejo!), com presenças algo intermitentes devido aos afazeres sulistas, é a "vedette" Nuno Gomes cá do burgo - em estilo, não em força...

- Marisa Oliveira (piada óbvia: uma jogadora com pinta!), especialista em fintas e malabarismos, cujo jogo de nervos sempre põe os adversários a dizer "menos, tá"?

É o verdadeiro dreamteam. (quem, imodestos, nós? nããã...)

sexta-feira, junho 16, 2006

Ser EmCantos é do baril...às vezes! Ser EmCantos é pegar na malta e ir jogar às escondidas num parque público até às 4 da manhã (o que vale é que era mesmo ao lado do jardim de infância, o que se adequa...). Ser EmCantos é pegar em qualquer desculpa minúscula e transformá-la num pretexto para uma tainada. Mainada! Ser EmCantos é marcar ensaio a contar com 15 e aparecerem 5 (vá, num dia bom, talvez 7...). Ser EmCantos é carregar e descarregar material à bruta e arranjar escolioses (o pessoal do staff nunca mais vem das férias!). Ser EmCantos é cantar a "Três em Um" e a "Rapsódia dos 5 Cantos" todas as vezes que actuamos (já são clássicos que o público não dispensa...digo eu...). Ser EmCantos é ser "Casal Garcia" e "Mini"... ah...e essa potente bebida alcoólica designada H20 (sim Ricardo, não me esqueci de ti...). Ser EmCantos é comprar cordas de Mi para bandolim e as mesmas aguentarem quaisquer 27 minutos nas mãos de um certo engenheiro rockalheiro... Ser EmCantos é ser desprezado no próprio burgo, apenas e só por ser EmCantos. Salvo raras excepções. Ser EmCantos é, no fundo, ser "camaradesco", "tainadeiro" e "borguista"...mas sem exageros!

quinta-feira, junho 01, 2006

O IMPORTANTE É O "CUMBÍBIO"...

Ora, portanto, a receita... Juntar uns quantos indivíduos que gostem de minis (não os carros, mas as bejecas) e de vinho verde ("Vamos brindar, com o vinho verde que é do meu Portugal... la la la..." Desculpem o devaneio...), mesmo que sejam de terras de alguma forma rivais (pelo menos supostamente) - já lá dizia o Trovão... "Santana" e "Santo Amaro"! Juntar qualquer coisa para roer, boa-disposição e...depois é deixar cozinhar.
Portanto, em termos de ingredientes mais específicos desta tachada, temos, lá ao fundo, os chamados "índios": "Diabo", "Besta", "Doutor do Sapato Roto" e a "Menina que Viola". Apesar dos nomes, é tudo malta boa para a festança. Tem é que ser abençoada por Baco!
Depois, à volta da mesa, temos os Santanenses, tudo a olhar para o passarinho (neste caso, a amiga Dina...). A "Menina dos Ferrinhos" estava ligeiramente entorcicolada, mas ela diz que não foi do álcool...Pois pois, faz de conta que a gente acredita!

OS ANIVERSARIANTES MAIS PEPSODENT DO MÊS!!!
ÉPI BARDEI TU IÚ TRI, É PI BARDEI TU IÚ TRI, ÉPI BARDEI ADRI, ROLANDO E FABI...ÉPI BARDEI TU IÚ!!! (pra quem não entendeu, é a letra do "Parabéns" em Inglês...Caramba, pá, tenho sempre que explicar tudo, pá...)

Vamos abrir um passatempo para os nossos visitantes (vai Gonzo, candidata-te...!).

As novas idades destes meninos são 22, 21 e 19. A pergunta é: quem fez quantos anos? Mas, como é difícil acertar, vamos dar uma ajuda: a mais nova não tem carta há muito tempo, mas já obrigou a viatura dela a dar um beijinho na parede. A mais-ou-menos-velha tem carta há mais tempo e já viu um capot a voar-lhe para a frente dos olhos. O mais velho (mas bem conservado...) rebaixou o seu rodinhas e tem a bagageira ocupada com uma turbina. Ah, já agora... Flauta, cavaquinho e mesa de som. Estes são os instrumentos desta gente. Façam a correspondência.

Enviem os vossos palpites.

Bem...mas como isto é mesmo difícil...ainda vamos dar mais uma ajudinha.

A mais nova teve a grande infelicidade de arranjar como namorado o bandolinista mais malandrão da Zona Centro. A mais-ou-menos velha teve a triste sorte de arranjar como namorado o professor com a pior escrita musical da zona Centro. O mais velho (apesar de todos os outros rumores acerca das consequências da sua vida amorosa...), segundo se ouve dizer, tem (ou continua a ter) uma amizade colorida e pintarolada com a mais agitada e NODDYada pandeireira da Zona Centro.

Podem começar a responder.

O quê? Aaaah, é verdade... o prémio! Quem acertar, tem direito a passar uma noite com um elemento do grupo, à escolha (desde que daí se excluam a mais-ou-menos-velha e o respectivo namorado...)



"Ora afina aí a tua gaita pela minha! Sim, que eu tenho este ar desalmado, mas o meu é o instrumento-mor!" (está a pensar o gajo com os óculos de brilhantes e com olhos de carneiro mal-morto...). "Que gaita a minha, que nunca está afinada...e vá lá que ainda não parti nada...E porque raio tenho de afinar a minha gaita pela deste gajo? ...Da-se!" (está apensar o entroncado gajo do lado direito, com ar de concentração máxima). "Ó valha-me


Ó QUE GAITA!!!

"Ora afina aí a tua gaita pela minha! Sim, que eu tenho este ar desalmado, mas o meu instrumento é que manda!" (está a pensar o gajo com os óculos de brilhantes e com olhos de carneiro mal-morto...). "Que gaita a minha, que nunca está afinada...e vá lá que ainda não parti nada...E porque raio tenho de afinar a minha gaita pela deste gajo? ...Da-se!" (está a pensar o entroncado gajo do lado direito, com ar de concentração máxima - só para a fotografia...). "Ó valha-me Deus, que estes gajos andam sempre a ver de quem é a gaita que está mais aguda ou mais grave! Só a minha está sempre afinada. Um bocado esfarelada, é certo, mas sempre pronta." (está a pensar o sujeito do centro, com ar enfadado...ou isso ou ensonado!) "Afinem para aí, que eu cá, mesmo sem afinar, tenho a gaita sempre a bombar..." (está a pensar o assistente de ligação de cabos, nosso contra-tenor de serviço, que a foto não apanhou). "A minha gaita é que é! Mesmo quando devia estar a actuar com o pessoal, baldo-me e vou é ter com a minha gaja! Eh eh eh..." (está a pensar o ausente sujeito Heleno, a muitos kilómetros dali...)